quarta-feira, 22 de novembro de 2017

"Lembranças de 87 - Pipa Antiga" - Expô de Ambrosio Santana no Espaço Cultural Pizzaria Calígula


Ambrosio Santana, o “artista da terra”, retorna à amada Praia da Pipa após um bom número de anos, que ele passou no sertão, onde voltou a viver quando escutou, sempre mais forte, o chamado interior de sua terra natal.
Natural do alto da Serra de Santana, município de São Vicente/RN, Ambrosio se mudou para Praia da Pipa ainda no fim do século passado, em meados dos anos 80. À beira da então mata da Pipa, ele construiu uma casa, que foi também seu ateliê, sua galeria de arte e espaço cultural.
Artista exuberante, Ambrosio Santana produziu muita arte naquela época; muita arte que foi, em sua maioria, exportada para os países de origem dos turistas que compraram suas telas em estilo naif, as camisetas, os cartões postais pintados à mão, as esculturas de madeira, de pedra sabão e outros artefatos.
Já no novo milênio, após um profícuo período de produção artística “primitiva”, inspirada nas pinturas rupestres presentes no interior do Rio Grande do Norte, Ambrosio Santana partiu para um novo estilo pessoal de pintura, representando, em grandes telas coloridas, cenas de vida agreste tipicamente nordestina.
Em 2016, Ambrosio Santana trouxe para a Pipa do flipAut! a exposição “Era do Algodão”, grandes telas coloridas, com cenas de vida agreste tipicamente nordestina.
Este ano, Ambrosio pintou expressamente dez telas novas, inspiradas nas recordações da Pipa de outrora; o titulo da exposição é, justamente, "Lembranças de 87 - Pipa Antiga", e ficará aberta ao público no Espaço Cultural Pizzaria Calígula, na Av. Baía dos Golfinhos, 757 durante todo o flipAut! 2017 – festival literário alternativo de Pipa – de 7 a 10 de dezembro. O vernissage da exposição acontecerá na quinta-feira 7 de dezembro às 19h. O horário de abertura do Espaço Cultural Pizzaria Calígula é das 12h à meia-noite.

Leia Mulheres no flipAut! 2017


O Leia Mulheres é uma iniciativa que a cada dia se espalha mais pelo Brasil. A ideia central é formar grupos de leitura que leem e debatem um livro escrito por uma mulher em encontros mensais. Com isso pretende-se combater o desigual mercado editorial que negligencia a escrita feita por mulheres, ao reproduzir as deficiências históricas da sociedade. 
No Rio Grande do Norte já existem grupos Leia Mulheres em Natal, Parnamirim, Apodi, Assu e Mossoró. Para o flipAut! 2017 - 8º festival literário alternativo da Pipa - está marcado um bate-papo sobre as questões que perpassam a leitura, publicação e divulgação da escrita por mulheres. 
No palco do flipAut!, quinta-feira 7 de dezembro, às 20h, estarão conosco as coordenadoras do grupo de leitura em Parnamirim, Nayara Xavier e Natal, Isabela Coelho e Maíra Dal’maz, para contar-nos mais a respeito dessa iniciativa mais que louvável.
Nayara, Isabela e Maíra são professoras com um pé na escrita também.


terça-feira, 21 de novembro de 2017

Retrato em Branco e Preto - Expô de Moreno Lizarraga Jansen no flipAut! 2017


Moreno Lizarraga Jansen, argentino/brasileiro, morou em São Paulo e depois mudou-se para a Praia da Pipa/RN, onde se estabeleceu, já faz quase quinze anos, e abriu uma conceituada pizzaria. 
Além que pela gastronomia, Moreno tem uma paixão pela arte da pintura. A maioria de suas telas a óleo são retratos expressivos de personagens famosos, ou não, representados com máximo realismo,  em preto e branco, utilizando uma larga paleta de tons monocromáticos.
Para a exposição "Retrato em Branco e Preto", que vai estar aberta ao público durante o flipAut! - 7 a 10 de dezembro - no Boobalai Bar, Av. Baía dos Golfinhos, Moreno escolheu algumas de suas telas clássicas e mais conhecidas, às quais irá entremear trabalhos que produziu nestes últimos meses. 
Não deixe de visitar a exposição de pintura "Retrato em Branco e Preto" de Moreno Lizarraga Jansen, no Boobalai Bar, Av. Baía dos Golfinhos, (confira o mapa do Circuito Cultural do flipAut! 2017) de quinta 7 a domingo 10 de dezembro, das 18h às 24h.
Visite a página Moreno Artes e conheça todos os trabalhos dele; se quiser, você pode encomendar para Moreno seu "retrato em branco e preto", ou de um seu personagem favorito.


Confirmada a presença do Sebo Vermelho na Feira de Livros Novos e Usados do flipAut! 2017


Está confirmada a presença da Editora Sebo Vermelho de Abimael Silva na Feira de Livros Novos e Usados, que acontecerá durante o flipAut! 2017 - 8º festival literário alternativo de Pipa - de 7 a 10 de dezembro.
O Sebo Vermelho completou 30 anos de uma profícua existência no mês de Agosto de 2015. Nesses trinta e dois anos, o Sebo Vermelho – um dos poucos sebos que editam livros no Brasil – já lançou mais de 475 títulos. Alguns títulos antológicos e outros esgotados e de difícil acesso.
O Sebo Vermelho surgiu em 1985 quando aos 21 anos, Abimael Silva resolveu abrir um sebo de livros e discos após deixar a instituição bancária, onde trabalhava.Para começar. colocou os livros de sua biblioteca particular para serem vendidos. Na época tinha mais de 700 livros e 600 foram colocados à venda. No início vendia mais discos, mas livros também vendia bem, tanto que costumava viajar para Recife,e comprar livros com preço defasado para vender no sebo. Além de vender e editar livros, o Sebo Vermelho é um importante ponto de encontro dos intelectuais da cidade que frequentam o espaço em busca de boa literatura ou simplesmente para uma boa conversa. Para os amigos o encontro virou tradição. O Sebo Vermelho prima pela edição de livros do Estado do Rio Grande do Norte e tem prestado uma enorme contribuição para a nossa história e cultura literária. Atualmente o sebo conta com um acervo de aproximadamente 30.000 volumes. Desse total uns 10.000 são de autores Norte Rio-Grandenses.
Durante o flipAut! 2017, a Editora Sebo Vermelho lançará três livros: um sobre uma iguaria típica da Região, a castanha de caju; outro, de Irani Medeiros sobre Fabião das Queimadas e, enfim, um estudo inédito de Olavo de Medeiros Filho, sobre a Lagoa Guaraíras e o rio de Sibaúma. 

Saiba mais disso nos posts dedicados ao lançamento de cada livro.

Oficina de Escultura em Madeira - Darlisom Silva no flipAut! 2017


Esta oficina foi organizada expressamente por Marizé Assis, fundadora do projeto Leitura na Praça, para a participação de alguns dos jovens frequentadores da Biblioteca de Sibaúma, distrito de Tibau do Sul.
O oficineiro, Darlisom Silva, vive há nove anos na Pipa, fazendo suas esculturas em madeira, seja de um tronco de coqueiro, que de uma rolha de garrafa de vinho. Todos trabalhos bonitos.
Com os meninos de Sibaúma, o tema escolhido por Marize e Darlisom para a oficina de escultura na Praia do Amor será "Peixe"; cada um dos meninos esculpirá um peixinho de madeira, que levará para casa, como um bom pescador.
Para quem quiser assistir a esta oficina, informamos que acontecerá na sexta-feira, 8 de dezembro, pela parte da tarde, a partir das 13h, na Praia do Amor - Pipa/RN

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Negra Poesia, Negra Melodia - João Batista Morais e Eliano no flipAut! 2017


Uma conversa sobre a sensibilidade negra no Ocidente e as poéticas extraocidentais. Dos poemas negros de Jorge de Lima ao "conceitual Refavela" de Gil. Da poesia afroestadunidense de Langston Hughes à Mama África de Chico César, dos orikis à voz feminina de Conceição Evaristo. Rápidos loopings sobre a galáxia das expressões negras, afrodescendentes.
Sexta-feira, 8 de dezembro às 20h no palco do flipAut! 2017 - 8º festival literário alternativo da Pipa. Não perca!
João Batista de Morais Neto nasceu em Natal, RN, no ano da graça de 1961, sob o sol da manhã. Estudou Letras e é doutor em Literatura Comparada pela UFRN; é professor de Português e de Literatura no IFRN. Escreveu e publicou alguns livrinhos; dentre eles, O veneno do silêncio (poesia), A canção e o absurdo revisitados (ensaio). Como João da Rua participou do movimento de artes alternativas potiguares nos anos 70/80. É um bom  leitor e gosta de viajar. 
Eliano é músico e poeta potiguar negro. Nasceu em plena década de 90 e se relaciona com música desde quando ganhou sua primeira flauta doce na infância. Estudou alguns instrumentos como sax e piano, elegendo guitarra e violão como seus principais. Foi guitarrista desde os 15 anos de várias bandas da região, em quais adquiriu experiência de palco e personalidade musical. A relação com a música é paralela à literatura, que esteve sempre presente, até que em 2012, sentindo a necessidade de desenvolver novas linguagens artísticas se afasta dos grupos e passa a se dedicar ao trabalho autoral solo que uniu o músico e o poeta. Começa a se apresentar no formato voz e violão nos bares da cidade com um projeto intitulado "A sós". Em 2014 lançou um EP com quatro canções autorais, que levou o título "Quiçá" e em 2015 lançou seu primeiro disco intitulado “Ecdemomania”. O álbum de estreia rendeu alguns destaques: Em 2016 foi indicado ao Prêmio Hangar de Música na categoria revelação musical. Também foi indicado ao Troféu Cultura do site Substantivo Plural como melhor cantor do ano. É formado em Letras e faz mestrado em literatura, pesquisando sobre literatura africana e afro-brasileira.

Turquesa - Expô de Ludmila Abreu no flipAut! 2017


A Exposição “Turquesa” que reúne obras da artista plástica Ludmila Abreu acontecerá na Refugo Galeria na Praia de Pipa entre os dias 7 e 10 de dezembro. Pinturas em tela que intermedeiam o figurativo e o abstrato fazendo referência ao mar com cores, texturas e temas marinhos. A delicadeza e a calma que proporciona os tons de azul mas também a aspereza da areia, a dureza das rochas e sensação do vento são expressas nas telas. 
Ludmila de Abreu, pernambucana de Recife, já foi jornalista especializada em fotografia e escolheu há mais de 15 anos a Praia da Pipa para ser seu lar e de sua família. Durante muito tempo Ludmila deixou a arte de lado, para ser uma empresária empreendedora, mas sempre sentia que faltava algo: “Responsável pela gestão financeira das empresas, o distanciamento da minha essência me levou ao limite da insatisfação e infelicidade e retomei a fotografia e as artes”, explica. “Nesse processo, novas buscas, conexões e sincronicidade me levaram a desenvolver um trabalho autoral”, continua. No fim a alma de artista falou mais alto e ela migrou da fotografia para as artes plásticas e, com a a proposta de compartilhar experiências, emoções e belezas, criou a Refugo Galeria. 
A Refugo Galeria chega à Praia da Pipa, com a proposta de ser mais do que uma galeria, e sim um espaço cultural e ateliê, sempre aberto para feiras artesanais, oficinas, mostras e exposições. A ideia é pensar na ligação direta do artista e seus produtos com seu público, enfim, um espaço de vivências e trocas de experiências. É a primeira galeria de arte da Pipa. Contando com um acervo que envolve artistas locais e Regionais. Dentro de um pequeno Open Mall com dois anos de funcionamento, no centro da Pipa - e com uma vista primorosa para o mar - a Refugo Galeria é composta por telas, esculturas, ilustrações e produtos autorais, com o propósito de trazer um conceito de ressignificação. O lugar recebeu uma decoração estilo industrial com tubos elétricos e canos aparentes, teto preto, paredes apenas cimentadas, piso em placas cimentícias, spots em metal. O ambiente reflete o conceito de algo em construção que irá formatando sua identidade durante o processo, mas que também absorverá a fluidez de um destino.